27 de Julho de 2009

Nietzsche foi um dos grandes filósofos do século XIX, porém escreveu uma péssima obra cujo nome é “O anticristo”; tudo que escreveu sobre religião cristã não faz sentido algum. Primeiro, o livro nasceu de um ressentimento; consoante o próprio Nietzsche: “tudo que surge do ressentimento não presta”. Segundo, é uma obra desprovida de lógica. Terceiro, estava sofrendo de desarranjos mentais.

 

Primeiro, esse pensador era de família luterana, aos cincos anos seu pai que era pastor morre. Alguns anos depois, ele que tinha o pai como herói, desiste da vida de pastor e entrega-se aos estudos de filologia, com isso perde sua fé em Deus, fé essa que nunca existiu.

 

Logo depois, adentrou numa vida boêmia, contraindo uma doença que em decorrência de alguns colapsos nervosos, comprometeu sua sanidade mental.

 

Nietzsche não cessa de escrever com um ritmo crescente. Este período termina brutalmente em 3 de Janeiro de 1889 com uma "crise de loucura" que, durando até à sua morte, coloca-o sob a tutela da sua mãe e sua irmã. No início desta loucura, Nietzsche encarna alternativamente as figuras míticas de Dionísio e Cristo, expressa em bizarras cartas, afundando depois em um silêncio quase completo até a sua morte. (wikipédia, biografia de Nietzsche)

 

Ele é o pior filósofo para falar sobre religião, visto que não compeende sua natureza. Nesse livro “O anticristo”, fica evidente sua total ignorância sobre o assunto: “reconheço que leio poucos livros com tanta difilculdade como os evangelhos”(Nietzsche, 1888). Como não entendeu a bíblia recorreu a outro sandeu: Dostoievski (1821-1881). Lendo os livros: “Idiota” e “Os demônios” para melhor compreendê-la. Se fosse um verdadeiro sábio, não recorreria a péssimas interpretações, leria o original, mas como não entendia, dexaria para quem entende.

 

Lembrando que a mudança começou depois da morte do pai. Outra observação é que para ele os cristões e a igreja pagão ou católica são a mesma coisa. Na verdade, a igreja adaptou-se ao cristianismo:

 

No ano de 312, Constantino, imperador romano, converteu-se ao cristianismo, liberando seu culto em todos os domínios romanos através do édito de Milão. Mais tarde, em 391, o imperador Teodósio proibiu todos os cultos pagões, tornando o cristianismo a religião oficial do império romano (novo modelo educacional, 2001).

 

Então, o cristianismo segue as leis de cristo; já a católica segue suas próprias “leis”, por exemplo, criaram as imagens, as indulgências, “a santa inquisição” etc., tudo contrário as leis bíblicas. Portanto, Nietzsche criou uma obra vazia e infrutífera. Fruto de um ressentimento: a morte precoce do pai, origem de todos os males ou “O nascimento da tragédia”. Ele é a grande fraude do cristianismo.

 

Segundo, essa obra é desprovida de lógica, pois ele não pensou nos intra-significados, ou seja, tenta destruir o abstrato com o concreto. Sabe-se que isso é impossível, visto que só se destrói os pares ou afins, isto é, a ciência é concreta e a religião é abstrata; será uma luta vã. Percebe-se também que essa obra é uma tentativa de dar a ciência uma chance de dominar o mundo, ou seja, a razão. E não mais a metafísica, que dominou o mundo por muito séculos. Essa era uma forma desesperada do Nietzsche de dizer: chega de religião, eu quero a ciência no poder.

 

Por esses motivos, “O anticristo” é de suas piores obras. Tosca, completamente sem lógica, uma vergonha para um pensador do prestígio dele. Além disso, ela representa desespero, ressentimento e loucura.

 

Terceiro, Nietzsche estava sofrendo de perturbações mentais:

 

E sem ter de deixar de considerar ainda que não há dúvidas de que Nietzsche era, de fato, doente mental, tendo passado os dez últimos anos de sua vida em completa insanidade, o que torna mais difícil a compreensão do que escreveu o filósofo (Dr. Leadnet).

 

Como se sabe uma doença não se manifesta de repente, ela vai dando indícios – no caso dele a vida toda, até que se agravou.

 

No final de vida, o pensador escrevia cartas para uma mulher chamada Cosima Wagner a quem chamava de princesa Ariadne e declarava que o autor das cartas era o deus dionísio. Conclusão: Friedrich nietzsche o “herói” dos materialistas, dos humanistas e dos ateus era: mentalmente insano, contraditório, confuso, incoerente, inconstante e arpavalhado; Sem pátria - após perder a cidadania prusssiana passou anos perambulando sem rumo pela Alemanha, Suiça e Itália, morando em espeluncas e escrevendo seus livros até que foi reconhecido mentalmente insano e foi internado em um manicômio, onde passou o resto de seus dias – autodestrutivo e infeliz. É esse o homem a quem os ateus o chamam de “sábio”. (Dr. Leadnet)

publicado por poetaaaronlino às 21:30 link do post
ESSE TEXTO É UMA FORMA DE VER A REALIDADE. AQUELES QUE A QUER AÍ ESTÁ. NIETZSCHE NÃO FOI O QUE DIZEM SER.
Talita Monteiro a 6 de Janeiro de 2010 às 21:44
logo se vê que quem entende de tudo é você, e não nietzsche, um simples filósofo mal interpretado. sqn.
b. a 19 de Julho de 2013 às 16:08
Não exatamente, eu sou um simples filósofo e fui mal interpretado. Nietzsche sem dúvida não sabia falar de religião; como escrever sobre Jesus sem recorrer a fonte? ele recorreu a obra O IDIOTA de um idiota qualquer, aí fica difícil falar sobre qualquer coisa. Tente construir um conhecimento baseado em fontes de terceiras ou quartas categorias para ver o que acontece. Eu te adianto o resultado: não presta. é isso!
Você não compreendeu nada ainda sobre o sábio e polêmico filósofo Nietzsche. Com as descobertas da física quântica, além do paradigma materialista, você vai descobrir que a verdade não é crença religiosa (suposição, especulação, imaginação, opinião), punhado de pensamentos abstratos. A verdade é de fato científica.
Edmilson a 24 de Junho de 2014 às 19:10
então o cristianismo é perfeito como ideia?
vc não acha nenhum defeito na sua estrutura filosófica?
orlando a 23 de Janeiro de 2017 às 20:19
Depende do significado de sua abordagem... O cristianismo em geral, é uma herança dos fariseus. O ensinamento de Cristo se perdeu na história, restando apenas resquícios.
Edmilson a 24 de Janeiro de 2017 às 09:27
Você é muito jovem ainda...

Dizer que Nietzsche não entedia de religião é muita presunção.

O que mais Nietzsche entedia era de religião.

Tem várias incoerências no seu texto. Ressalto, por exemplo, a questão da loucura. Tendenciosamente você fala como se Nietzsche fosse doente mental de nascença quando na verdade ele ficou doente já com certa idade por ter contraído sífilis. A


Mas não há só Nietzsche falando contra as religiões. Tem Saramago, Carl Sagan, Epicuro e mais um zilhão de outros sábios.
Pedro a 5 de Outubro de 2015 às 14:11
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31
arquivos
2013
2012
2011
2010
2009
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Depende do significado de sua abordagem... O crist...
então o cristianismo é perfeito como ideia?vc não ...
Você é muito jovem ainda...Dizer que Nietzsche não...
Por este texto, em que o universo caminha sempre d...
A teoria da evolução não exclui Deus? Então onde e...
Você não compreendeu nada ainda sobre o sábio e po...
Olha... nunca li tanto ABSURDO quanto essas "afirm...
Preciso falar com você gostaria agendar uma ...
Inesquecível.
Não exatamente, eu sou um simples filósofo e fui m...
blogs SAPO